Um Blog do Leandro Silva a 7 anos levando o Evangelho

NOTA DE FALECIMENTO

Faleceu na Igreja dos Negligentes e Frios na Fé, Dona Reunião de Oração, que já estava enferma desde os primeiros séculos da era cristã. Foi proprietária de grandes avivamentos bíblicos e de grande poder e influência no passado. Os médicos constataram que a sua doença foi motivada pela “FRIEZA DE CORAÇÃO”. Devido à falta de circulação do sangue da fé.

Constataram, ainda, que sofria de “DUREZA DE JOELHOS” (não dobravam mais), fraqueza de ânimo e muita falta de boa vontade. Foi medicada, mas erradamente, pois lhes deram grandes dose de “ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS”, mudando-lhe o regime. o xarope de “REUNIÕES SOCIAIS” sufocou-a. Deram-lhe “INJEÇÕES DE COMPETIÇÕES ESPORTIVAS”, o que provocou má circulação nas amizades, trazendo-lhe ainda, os males da carne: rivalidade, ciúmes, fofocas. Administraram-lhe muitos comprimidos de “ACAMPAMENTOS” E “CLUBES DE CAMPO”. até cápsulas de “GINCANA” lhe deram para tomar!
Resultado: morreu Dona Reunião de Oração!

A autópsia revelou: falta de alimentação com o PÃO DA VIDA carência de ÁGUA VIVA e ausência de VIDA ESPIRITUAL. Em sua memória, a Igreja dos Negligentes e Frios na Fé situada na Rua do Mundanismo, nº 666, estará fechada nos cultos da semana e aos domingos, haverá culto só pela manhã, assim mesmo quando não houver feriadão, emendando o lazer de sexta feira até segunda feira.

Agora, uma pergunta: Será que você, que está lendo esta noticia, não ajudou a matar Dona Reunião de Oração?

Idolatria Gospel: Um show de horrores

Qualquer cristão que tem o mínimo de conhecimento bíblico entende que Deus odeia a idolatria. Em 1 Coríntios 6:9 Deus alerta que os idólatras não herdarão o Reino dos céus. Em outra parte das escrituras lemos: “Não terás outros deuses diante de mim”. (Êxodo 20:3). Podemos ficar horas e horas citando trechos bíblicos acerca da mesma verdade: Deus quer estar em primeiro lugar de nossas vidas. Aqueles que querem ser verdadeiros adoradores deverão ter olhos para um só Deus. Isto é uma verdade inquestionável.

Também é verdade que a Igreja precisa ter modelos, precisa ter exemplos de vida com Deus, exemplos em todas as áreas de liderança, pastoral, nas artes, missões etc. A estas pessoas chamamos de referenciais. Paulo era um referencial de sua época: “Sede também meus imitadores, irmãos, e tende cuidado, segundo o exemplo que tendes em nós, pelos que assim andam”. (Filipenses 3:17). Precisamos ter líderes que nos dirijam, que nos abençoem, que nos ajudem a chegar aos níveis já alcançados por eles, que nos dêem um norte em Deus.

Referenciais têm um enorme poder de influência sobre as pessoas como um todo. É por isso que quando algum destes referenciais cai em pecado, muitas pessoas caem em desilusão e os mais fracos tendem a abandonar a fé. Em geral, o povo é abalado quando um líder ou um referencial de grande influência comete falhas em público. E quanto maior a “bomba”, maior é o estrago. A Bíblia alerta: “Não dando nós escândalo em coisa alguma, para que o nosso ministério não seja censurado…” (2 Coríntios 6:3).

Um erro grandioso que a Igreja de hoje tem cometido e sofrido sérias conseqüências é o pecado da idolatria. E fazemos isso dando uma série de boas desculpas esfarrapadas. Por exemplo, quando quero idolatrar meu cantor gospel preferido, exaltando-o sobre as alturas, falo às pessoas que ele é um grande homem de Deus, um referencial para mim. Aí faço desta pessoa meu ídolo, tendo em casa um altar para ele, com todos os seus CDS e livros, com todos os seus artigos escritos, com uma foto autografada, uma camisa do fã-clube e outros apetrechos que farão parte do meu devocional a este ídolo. Assim a pessoa acaba se tornando um idólatra, tornado seu próprio irmão na fé num deus. Atenção: Adorar também significa “devotar a vida”.

Não há outras palavras para se dizer uma verdade dura que já está sendo ecoada no Brasil: a Igreja brasileira fez de seus referenciais grandes ídolos como o bezerro de ouro erguido pelo povo de Israel no deserto (Êxodo 32:4). Isto nós fizemos e por isso estamos pagando um preço tão caro. A Lei da Semeadura está valendo ainda hoje. A Igreja plantou idolatria, vai colher coisa ruim, maldição, destruição. Disto não duvidamos.

A Idolatria Evangélica Gospel Brasileira permitiu este show de horrores:

– Ídolos gospel que não “ministram” por menos de 15, 20, 30 mil reais.
– Ídolos gospel que decidiram por loucura própria fazer uma lista de exigências que nem Jesus, Paulo ou João fizeram quando exerciam seu ministério: hotéis 5 estrelas, frutas tropicais, água mineral de marcas específicas, dezenas de seguranças, carro blindado… e outras coisas que não vou pôr aqui pois não vão acreditar em mim.
– Ídolos gospel que são indiferentes e preconceituosos com certas cidades, regiões, raças, e condição espiritual. Por exemplo: tem gente que não “ministra” em certos lugares porque há muita frieza espiritual, eles só querem “ministrar” em lugares que já estão “avivados”.
– Ídolos gospel que se isolam da liderança espiritual de sua igreja para não precisar responder a ninguém sobre seus trambiques e pecados. Aparentemente chegaram num nível tão alto que não precisam mais de pastor e de igreja para acompanhá-los, agora podem caminhar sozinhos. Por isso temos visto tanto insubmissão e rebeldia em “ministério grande”.

Quem é o responsável por este show de horrores? Quem é o culpado? Penso que o culpado somos todos nós que fazemos parte da igreja pois temos alimentado nossos ídolos. Damos a eles o que eles pedem, e é por isso que as exigências aumentam a cada dia. Enquanto pagamos 25 mil reais pra um irmão cantar num evento, deixamos missionários morrerem de fome aqui no Brasil e lá fora. E ainda dizemos: se o missionário passa fome é porque está em desobediência. Quanta hipocrisia!

A coisa está tão feia que ninguém pode denunciar os pecados da igreja. Se alguém se levanta contra essa pouca vergonha dos absurdos cachês e exigências, dos pecados escondidos, da rebeldia contra os pastores, da idolatria escrachada, da tietagem é rapidamente apedrejado pelos idólatras daquele determinado “deus gospel”. É igualzinho no Velho Testamento: “não desrespeite o meu deus que eu não desrespeito o seu”.

Meus irmãos não me entendam mal. Não me interpretem mal. Estou aqui tecendo pesadas críticas contra a idolatria. Estou denunciando o pecado, não o pecador! É disso que tenho nojo, e é contra este terrível pecado que temos que lutar. Se a Igreja não acordar colherá frutos tenebrosos. Se sabemos da existência de um Deus verdadeiro, se conhecemos o seu amor, e o trocamos deliberadamente por outros deuses, vamos pagar caro por isso. Aliás, já estamos pagando caro por isso!

Deixe-me fazer algumas perguntas que atualmente tem feito meu coração doer: – Quanto Jesus cobrou para exercer seu ministério e morrer na cruz por nós? Qual foi o cachê que Paulo cobrou para ser aprisionado junto com Silas nas piores prisões da época? Quais foram as exigências de nossos irmãos que morreram recentemente na China por não negarem o Evangelho? Quanta glória Jesus quis tomar para si quanto o chamaram de bom mestre? Quantas viagens Paulo negou por não atenderem suas exigências?

Precisamos urgentemente de referenciais que apontem para Deus. Precisamos de mártires. Precisamos de humildade, simplicidade e pureza de espírito. Precisamos nos arrepender. Precisamos saber que “…o viver é Cristo, e o morrer é lucro”. (Filipenses 1:21)

Quanto aos ídolos de ouro que levantamos… não precisamos deles!

“Então disse Jacó à sua família, e a todos os que com ele estavam: Tirai os deuses estranhos, que há no meio de vós, e purificai-vos, e mudai as vossas vestes”. (Gênesis 35:2)

Um abração em Cristo Jesus

Ramon Tessmann
http://www ramontessmann.com.br

 

Perdoar para ser perdoado

“Então, Pedro, aproximando-se, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes? Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete.” Mt. 18:21,22

Deus quer nos falar neste dia sobre um assunto tremendamente importante. Eu diria essencial para que os relacionamentos em família possam gozar de inteira comunhão. Refiro-me ao perdão. Por desconhecermos as implicações do ato de perdoar e ser perdoado é que vemos a cada dia lares se desfazendo, filhos abandonando os seus pais, casais se divorciando, irmãos brigando contra irmãos. De fato existe muita falta de perdão.

A Bíblia é bem clara ao afirmar “que por se multiplicar as iniqüidades o amor de muitos se esfriariam.” Infelizmente vivemos um caos principalmente dentro do âmbito familiar. São famílias que não se entendem. Pessoas vivendo debaixo do mesmo teto mas se agredindo mutuamente com palavras agressivas e também fisicamente. Filhos desrespeitando os seus pais, pais com total falta de temor a Deus irritando por sua vez os seus filhos e trazendo discórdias no seio da família. Enfim feridas na alma que são abertas a todo instante e que parece não ter solução para sua cura, para a sua total cicatrização. O que está acontecendo afinal? Como acabar com isso? Como fazer que a paz possa voltar ao lar que está mergulhado em desencontros? Como fazer com que os valores morais e sobretudo espirituais cheguem ao coração de nossos amados? A reposta para estas questões está centralizada na pessoa de Jesus Cristo.

Conhecendo Jesus e tendo uma experiência com Ele tudo pode mudar. Infelizmente existe uma tendência de grupos religiosos que insistem em atribuir ao diabo tudo o que acontece de ruim em nossa vida e na vida de nossas famílias. Mas o fato é simples de entender. Quando abrimos as nossas mentes, os nossos corações na direção daquele que tem as respostas, Isto é quando nos voltamos em sinceridade para Deus. Ele sim, Jesus, tem as respostas para as nossas inquietações pessoais e familiares. Tiago nos diz claramente:  “Ninguém ao ser tentado diga, sou tentado por Deus, pois Deus não pode ser tentado pelo mal e Ele a ninguém tenta. Mas cada um é tentado quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência.” Tg 1:14,15

De fato somos nós mesmos, com nossas decisões e escolhas erradas é que atraímos as conseqüências imprevisíveis e muitas vezes irreversíveis em nossa vida nesta terra. Existe um fator que trava toda e qualquer possibilidade de comunhão intensa com Deus e com os nossos semelhantes. É a falta de perdão. Não perdoar aquele que nos agride, aquele que tem traído a nossa confiança fará com que os céus se fechem para nós. Pedro argüiu Jesus “até quantas vezes meu irmão pecará contra mim, que eu lhe perdoe? Até sete vezes?” Talvez seja esta a sua pergunta nesta oportunidade. Na mente de Pedro surge um número, o número sete que estava condicionado a lei dos judeus. Porém ao responder a inquietação de Pedro, Jesus o surpreende dizendo-lhe : “Não te digo que até sete vezes, mas até setenta vezes sete.“ Isto representa no meu modo de pensar que quatrocentos e noventa vezes devo perdoar o meu irmão por uma mesma ofensa recebida.

Em outras palavras. Se o seu filho lhe fez algo que o chateou, aquela ofensa deverá ser perdoada 490 vezes. Se o seu cônjuge o magoou em alguma área, 490 vezes o perdão deve entrar em ação. O perdão é Divino, é de Deus mas para praticá-lo também devo estar em Deus. Hoje é tão comum pensarmos que basta apenas pedirmos perdão a Deus e resolveremos a questão pendente com o nosso irmão.(a) Não é assim que o problema será resolvido. Eu tenho que ter aquela consciência que se eu pequei eu devo procurar a pessoa que está sendo alvo de minha inquietação pessoal e pedir-lhe perdão. Depois eu terei liberdade de ir perante Deus para pedir-lhe perdão também. Tantos relacionamentos rompidos principalmente nas famílias por falta do temor do Senhor.

Cria-se na mente várias justificativas que anulam a atitude correta de tomar a decisão para resolver de vez o problema. A oração que Jesus nos ensinou, a tão conhecida oração do Pai Nosso, Jesus é bem positivo para conosco quando diz: “Que se não perdoarmos o nosso próximo, não seremos perdoados por Ele.” Se não tivermos a atitude de resolvermos o problema que está pendente com o nosso próximo, Deus também não poderá nos perdoar. Amado(a) você conhece alguém assim? Quem sabe o Espírito Santo neste momento está lhe revelando que existe alguém em sua própria família com quem você tem algum problema não resolvido. Será que você tem dificuldade de perdoá-la? Sabe o que você vai fazer? Eu quero lhe dar alguns conselhos práticos e tenho a certeza absoluta que vai ajudá-lo(a) neste dia.

1. Verifique em oração diante de Deus se existe alguém cujo perdão você tem retido.
2. Se você identificar pessoas ou situações, peça a Deus que lhe dê coragem e estratégias vindas da parte Dele para resolver a situação.
3. Dirija-se a esta pessoa ou pessoas na primeira oportunidade e peça-lhe perdão. Se estiver longe lhe escreva uma carta, e-mail ou use o telefone mas lembre-se: “Não é um simples pedido de desculpas. É pedir perdão de coração.” Não é hora de fazer discursos. Não é hora de aproveitar da situação para achar erros na(s) pessoa(s) em questão. É hora de resolver os problemas com seu pedido de perdão.
4. Ore junto com esta pessoa. Agradeça a Deus por estarem tentando se entenderem novamente diante de Deus. Obs. Se a pessoa não lhe der o perdão. Você está liberado diante de Deus, pois tentou fazer a sua parte e você poderá ter agora a sua consciência livre de culpa.

Amigo(a) Talvez você tenha razões de sobra para a sua atitude de afastamento e retenção do perdão. Mas lembre-se: A vitória com certeza chegará a sua vida quando você derrubar esta parede de separação. Alguém disse “Que perdão é a habilidade de começar tantas vezes quanto forem necessárias” Uma das coisas que Jesus bateu mais de frente quando estava aqui nesta terra, foi contra os religiosos e hipócritas de sua época. Volta e meia Ele estava frente a frente com as pessoas que gostavam de fazerem intrigas e que traziam tantas perturbações, tanta falta de paz no meio das famílias. Que adianta ir a Igreja, cantar no coro ou pertencer a uma banda de louvor, ouvir os sermões do pastor, participar das celebrações e não ter a motivação de ter um coração limpo, um coração transparente perdoando e sendo perdoado.

Deus está em nossos dias e principalmente na família mostrando-nos que para alcançarmos a paz, a alegria, harmonia de pensamentos e comunhão com Deus e uns com os outros o perdão se faz necessário sempre, todos os dias, todas as horas, todas as pessoas, todas as situações. Somente com o coração livre, sem rancor, sem ódio é que teremos famílias abençoadas e felizes no Senhor. Agora um detalhe muito importante. Quem sabe você deve estar com este pensamento “ Você está dizendo isto pastor Nélson, porque não conhece o meu problema? Não conhece a minha dor, não conhece o meu sofrimento. Não sabe o que meu cônjuge me fez. Não sabe o que o meu filho, o meu pai, o meu irmão aprontou comigo” De fato muitas coisas estão chegando à sua mente neste instante de confronto com a Palavra de Deus.

Eu não sei a dimensão do seu problema, mas eu sei de uma coisa e eu quero que você esteja atento(a) para isto. “Eu sei que Jesus não só conhece o seu problema, como também Ele conhece você. Sabe por que? Porque Jesus Cristo lhe ama. por isso o entende e posso lhe garantir que você não está sozinho(a) nesta situação. Jesus é o único que pode ajudá-lo(a) a se ver livre da culpa, do medo, dos transtornos, da revolta, do ódio, do rancor e da amargura que provavelmente está em seu coração.” Jesus é o único que pode lhe dar esperança, pode lhe dar alento, pode trazer-lhe a paz e mostrar-lhe perfeitamente o caminho que você deve seguir. Jesus lhe diz neste instante “Vale a pena liberar perdão” “ Vale a pena pedir perdão” “Vale a pena deixar o comando de sua vida em minhas mãos” Na verdade o que quero lhe dizer é quando você caminhar na direção daquela pessoa que de fato lhe prejudicou um dia, não é você que estará ali levantando a bandeira paz, é Jesus que estará fazendo isto por meio de você.

Amigo(a) vamos resolver aquela situação pendente? Quero orar para que você se sinta encorajado de resolver esta tarefa tão difícil porem gloriosa. Quem sabe hoje o Espírito Santo lhe trouxe na memória uma situação que exige de você um posicionamento inadiável. Hoje é o dia, o momento é agora.

Pr. Nélson
Fonte: ministerio com familias

 

COMO FAZER JEJUM

JEJUM,  uma bênção!

Abstinência ou abstenção total ou parcial de alimentação em determinados dias, por penitência ou prescrição religiosa ou médica.
(Dicionário Aurélio)

Jejum é uma prática muito comum no meio religioso,  todas as religiões existentes, cristãs ou não, usam desta forma de sacrifício para louvar as suas divindades.

Mas o que verdadeiramente é o jejum para os cristãos? 
Uma simples abstinência de alimentos!
Não!
Infelizmente muitos têm olhado para o jejum como um fardo difícil de ser carregado e ignorado o verdadeiro sentido desta abstinência. Ficam sem alimentar-se por um período levado pelas circunstâncias (determinação da igreja ou algo semelhante), porém, não conseguem ver a grandeza deste ato de louvor ao Senhor. Infelizmente resumindo: Passam Fome!

Em Isaias 58.6,7 está escrito: 
“Porventura não é este o jejum que escolhi, que soltes as ligaduras da impiedade,   que desfaças as ataduras do jugo e que deixes livres os oprimidos, e despedaces   todo o jugo?  Porventura não é também que repartas o teu pão com o faminto, e recolhas em casa os pobres abandonados; e, quando vires o nu, o cubras, e não te escondas da tua carne?”

O Senhor  está ensinando através de seu profeta, que o jejum deve envolver todo o nosso ser, a vontade é subjugada, a mente volta-se para Ele.  São momentos nos quais  devemos fechar a porta para a existência  e abrir-nos totalmente para o Senhor.  Longe de ser algo mecânico, ou encarado como uma obrigação, no entanto deve ser um ato que parte de nosso íntimo um reconhecimento da glória do Pai e do prazer em humilhar-se em sua presença. 
Este ensino é dado ao povo escolhido  desde os tempos dos reis,  como uma prática agradável e que geralmente movia o coração do Senhor. Sua pratica era geralmente em situações 
difíceis, em que o socorro divino era indispensável. 
Veja o exemplo de Davi: 

“… Jejuou Davi e, … passou a noite prostrado…”  2Sm 12.16

Vejamos alguns textos que nos leva a conhecer diversos momentos em que o jejum foi extremamente necessário.
Jl 1.14, 2.12;  2Sm 1.12;  Lc 5.33-35;  Sl 35.13;  Dn 6.18;  Et 4.16;  At 13.3, 14.23  etc

O jejum era uma prática comum entre os grandes servos do Senhor, pois sabiam que era uma forma de reabastecer-se, de renovar as forças para enfrentar as difíceis batalhas que tinham pela frente em seus ministérios e até mesmo na vida cotidiana.

Veja alguns exemplos:

Jesus:  Mt 4.2;
Moisés: Ex 34.28;
Elias: 1Rs 19.8;
Paulo: 2 Co 11.27;
Cornélio: At 10.30; 
Ana: Lc 2.37;
Davi: 2 m 12.16;
Neemias: Ne 1.4;
Ester: Et 4.16;
Daniel: Dn 9.3  entre outros.

O jejum também era feito coletivamente, praticado simultaneamente  pela nação, numa cidade, pela igreja  etc.

Leia os exemplos:

Nação: Israel Jz 20.6, Ed 8.21, Jr 36.9 etc;
Cidade: Ninivitas Jn 3.5-8; 
Lideres: Apóstolos 2 Co 6.5;
Igreja:  Primeiros Cristãos At  13.2

Apesar de ser uma prática comum no seio da igreja do Senhor, na Bíblia vemos poucos ensinamentos a respeito de como praticá-lo.
Em Mateus 6.16-18 vemos uma recomendação do Mestre em relação ao jejum:
“Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto,  Para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente.”

Infelizmente este precioso ensinamento dado por Cristo pouco tem sido observado nos dias atuais, nos quais vive-se muito a aparência. E passar uma imagem de crente praticante deste sacrifico coloca sobre as costas uma capa de santidade. E o que deveria ser em secreto,         torna-se extremamente aparente, à semelhança do Fariseu que se exaltando dizia a todos:
“Jejuo duas vezes por semana…” Lc 18.12

Nestes dias apocalípticos, a simplicidade da palavra já não tem lugar e muitos têm tentado explicar o inexplicável, e neste afã, inventaram diversas normas para a prática do jejum.
E cada Pastor, impõe as suas ovelhas formas predefinidas e até absurdas para sacrificar ao Senhor.
A palavra, porém, aponta para a voluntariedade é um pacto entre a pessoa e Deus; que   nasce no coração, com o  desejo de agradar ao Mestre. É uma forma de nos humilharmos em sua presença, clamando pela sua misericórdia ou demonstrando a nossa gratidão pelo seu amor.

Estava em Porto Seguro – BA, e por estar com a Bíblia na mão, aproximou-se um jovem crente. Começamos a conversar sobre as coisas espirituais e ele confidenciou-me que estava em jejum e por determinação do pastor, nem mesmo a saliva poderia engolir.
Uma irmã contou-me, que para um verdadeiro jejum, teria que ficar em casa, orando e lendo a Bíblia e não poderia conciliar trabalho e jejum. 

E como estes exemplos radicais, há muitos outros.

Ditar normas e formas de sacrificar ao Senhor  é colocar fardos pesados sobre as pessoas e muitos são induzidos ao erro.
E isto é andar em sentido contrário, pois Cristo veio tirar os fardos pesados difíceis de serem carregados, no entanto, muitos chamados homens de Deus, fazem questão de colocá-los sobre os ombros das ovelhas.
O que deveria verdadeiramente ser ensinado e cobrado pelos pastores era a condição única de santificar-se, deixando o pecado  e de voluntariamente  chegar-se diante do Pai e fazer um pacto de sacrifício.

Na prática do Jejum  é indispensável:

A) Leitura da Palavra  –  Meditar nos ensinamentos, vivenciá-los

B) Oração  –  Jejum sem oração, não é jejum!  Deve-se esta em oração constante! 
E para orarmos, só precisamos de vontade.  Ora-se: andando pelas ruas; dirigindo; em casa;trabalhando; no metrô, trem ou ônibus; enfim em todos os lugares! 

Orar é falar com Deus, como ele conhece nossos pensamentos, não há necessidade de      sairmos pelas ruas clamando em voz alta. É só você e Deus! Ele te ouvirá.

C) Estar em Espírito  –   É viver com a mente voltada para os céus, ligado nas coisas            espirituais. É uma condição de vida para todos os Servos do Senhor, em tempos de jejum ou não.  
“ Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus.”  Sl 51.17

Quanto à forma de jejuar, esta depende do mover do Espírito Santo ou de sua própria opção, cito alguns exemplos:

a) Ficar por um período sem alimentar-se: 12, 24 ou mais horas.
b) Excluir da alimentação por um período pré-estabelecido algum item.
Exemplo: Carne, refrigerantes, doces, etc.
c) Não se alimentar com produtos fermentados.
d) Alimentar-se só com raízes.
e) Alimentar-se apenas com líquidos por um tempo determinado.
f) Faça segundo o teu coração com o objetivo principal de honrar ao Senhor.

No Jejum, temos que afrontar a carne, lutar contra ela, humilhá-la, ir contra nossa própria vontade.  Portanto é inconcebível  que alguém venha oferecer um sacrifício que não vá doer na carne. Por exemplo: 
Querer excluir da alimentação o refrigerante por um período, quando normalmente você bebe esporadicamente.  

Certamente será em vão!

É Preciso ir contra a carne!  Afrontá-la!

“Aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz e o que não faz caso do dia para o  Senhor o não faz. O que come, para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e o que não come, para o SENHOR não come, e dá graças a Deus. Porque nenhum de nós vive para si, e nenhum morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor. Porque foi para isto que morreu Cristo, e ressurgiu, e tornou a viver, para ser Senhor, tanto dos mortos, como dos vivos.” Rm 14.6-9

E assim deve ser o nosso viver, tudo quanto façamos, que seja feito no Senhor.

Consulte mais sobre jejum, veja os textos:
1Rs 21.9; 2 Cr 20.3; Ed 8.21; Sl 35.13, 69.10;  Jr 36.6; Dn 6.18, 9.3; Jl 1.14, 2.15; Jn 3.5; Zc 8.19; Mt 15.32, 17.21; Mc 8.3; Lc 2.37; At 14.23, 27.9; 2 Co 6.5, 11.27

Pr Elias R. de Oliveira

Dois irmãos Visitaram seus avós no sítio. Felipe ganhou um estilingue para brincar. Praticava sempre, mas nunca conseguia acertar o alvo. Certa vez viu o pato de estimação da vovó. Atirou, Acertou e o matou. Chocado triste e em pânico, escondeu o pato morto. Beatriz, sua irmã viu tudo. Após o almoço no dia seguinte, a avó disse “Beatriz, lave a louça”. Mas ela disse “vovó, o Felipe disse que queria ajudar na cozinha”. e então sussurrou: “Lembra do pato?”, e Felipe lavou os pratos. Mais tarde o vovô convidou as crianças para pescar e a vovó disse: “desculpe, mas eu preciso que a Beatriz me ajude com o jantar”. Beatriz disse, “mas o Felipe me disse que queria ajudar hoje”, e sussurrou-lhe: “lembra do pato?”. Então a Beatriz foi pescar e ele ficou. Felipe sempre acabava fazendo o trabalho da sua irmã, até que não aguentou e confessou que tinha matado o pato. A vovó o abraçou e disse “eu estava na janela e vi tudo, mas porque eu o amo, perdoei. Eu só me perguntava quanto tempo você iria deixar Beatriz fazer você de escravo!”.

Qual quer que seja o seu passado, ou que você tenha feito (mentir, enganar, seus maus hábitos, ódio, raiva, amargura, etc.), Precisa saber que Deus estava na janela e viu tudo. Ele conhece toda a sua vida. Quer que você saiba que Ele o ama e que você já está perdoado. Quanto tempo você deixará o diabo fazê-lo de escravo? Deus só espera você pedir perdão. Ele não só perdoa, mas esquece. É pela graça e misericórdia de Deus que somos salvos.

 

 

DIÁCONO LEANDRO SILVA

Homens de Honra

Homens de Honra

INTRODUÇÃO

Este material é um chamado ao homens, para que vivam corajosamente por sua fé e por suas famílias. Ele foi formulado para desafiar você a tornar-se o homem que Deus criou para ser. Quando um  homem finalmente compreende seu papel e entrega-se de imediato ao plano de Deus, sua vida muda completamente. A vida ganha um propósito novo. Eles aprendem a dizer “não”às coisas pecaminosas que impedem de seguir o seu caminho com Deus.
Josué um líder do A.T. era um homem de decisão. Ele sabia quem era e quais eram suas responsabilidades.
“…porém eu e minha casa serviremos ao Senhor”. (Josué 24:15)
Há um avivamento crescente de homens que estão insatisfeitos com a sua própria mediocridade.
Homens que desejam unir-se a outros homens fortes e corajosos para se posicionarem na defesa de suas famílias. Homens que querem aproveitar ao máximo o restante  de seus dias. A palavra de Deus nos chama para sermos os
“escolhidos”, para sermos tudo o que Ele nos criou para ser e para fazermos tudo o que Ele preparou para nós.

O que é a resolução?

É a virada de jogo. É uma declaração ousada que afirma que, de agora em diante, você optou por viver pelo que mais importa. Fica estabelecido em seu coração que você se compromete a cumprir suas responsabilidades
dadas por Deus, e a viver sua vida com fé e integridade. Esta resolução confirma o tipo de homem que você deseja ser. Decidir significa determinar de uma vez por todas. As escrituras descrevem um homem determinado como sendo firme, o que significa que ele decidiu comprometer-se e empenhar-se a fazer o que é certo. As decisões neste material baseiam-se nas maiores prioridades da palavra de Deus para os homens, cada afirmação descreve um compromisso que você deve assumir para viver como o líder de sua casa.
Elas representam um chamado a ação, e viver essas afirmações pode te ajudar a ficar diante de Deus quando chegar o dia e a ouvi-lo dizer: “Bom Trabalho”.
Eis a resolução de todo o homem, que iremos explicar, assim como iremos te desafiar a praticar nos próximos dias…

A RESOLUÇÃO
Eu solenemente determino, diante de Deus, assumir total responsabilidade, por mim, minha esposa e meus filhos.
EU VOU amá-los, protegê-los, servi-los e ensinar-lhes a PALAVRA DE DEUS, como líder espiritual de minha casa.
EU VOU ser fiel a minha esposa, amá-la e honrá-la, e estou disposto a sacrificar a minha vida por ela, assim como Jesus Cristo fez por mim.
EU VOU abençoar os meus filhos e lhes ensinar a amar a Deus com devoção, dedicação e força.
EU VOU treiná-los para honrar a Deus e  para viver com responsabilidade.
EU VOU enfrentar o mal e buscar justiça e misericórdia.
EU VOU orar pelos outros e tratá-los com bondade, respeito e compaixão.
EU VOU trabalhar prontamente para prover as necessidades da minha família.
EU VOU perdoar aqueles que me fizeram mal, assim como vou pedir perdão aos que prejudiquei.
EU VOU aprender com os meus erros, me arrepender dos meus pecados e caminhar com integridade como um homem temente a Deus.
EU VOU procurar honrar a Deus, ser fiel a sua igreja, obedecer a sua palavra e fazer a sua vontade.
EU VOU trabalhar corajosamente com a força que Deus proporciona para o cumprimento desta
resolução para o resto da minha vida e para a sua glória.

Pr Dimi.

MEU MARIDO NÃO QUER NADA COM A IGREJA, POIS ESTA DESEMPREGADO ?

Amada irmã, infelizmente são muitas que têm o mesmo problema. Casaram-se na igreja com homens envolvidos com a obra de Deus e, depois de algum tempo, se afastaram dos caminhos do Senhor, começaram a beber e a viver dissolutamente.
Gostaríamos de ter uma fórmula que fizesse os maridos caírem em si e voltarem a sensatez, mas tal fórmula não existe. Não conseguimos mudar ninguém, isto é tarefa do Santo Espírito de Deus. Ele é quem convence do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.8).
Veja o que NÃO fazer:

  1. Discurso, ou pregação. Não pregue para o seu marido, pois não é isso que a Bíblia manda você fazer.
  2. Ensino bíblico. Não dê estudo bíblico para o seu marido.
  3. Queixas e murmuração. Além de ser pecado, só piora a situação.
  4. Ficar deprimida e amargurada, como se não pudesse fazer nada.

Mesmo assim você não precisa ficar parada. Veja as instruções da Palavra:
Mulheres, sede vós, igualmente, submissas a vosso próprio marido, para que, se ele ainda não obedece à palavra, seja ganho, sem palavra alguma, por meio do procedimento de sua esposa, ao observar o vosso honesto comportamento cheio de temor. (1Pe 3.1-2)
Comece a tratá-lo muito acima do que ele merece. Dê a ele a dignidade que ele não tem, mas que você deseja que ele tenha. Trate-o como se ele fosse um nobre príncipe. Espere por decisões dele e trate-as com o máximo de respeito, como se fossem palavras do próprio Deus. Repare no texto acima, da tradução Revista e Atualizada Almeida, que tem a palavra “ainda”, como se fosse uma promessa, para aquelas que obedecem.

Deus tem compromisso com a Sua palavra e Ele vai agir.

Nuvem de tags